quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Como todas as quartas-feiras, o Papa compareceu na Praça São Pedro para presidir a audiência geral. No encontro, estavam presentes cerca de 20 mil pessoas entre turistas, romanos e peregrinos. Francisco explicou que está meditando sobre as conclusões da Assembleia Sinodal encerrada em 25 de outubro e anunciou que o tema de sua catequese seria o “treinamento do dom e do perdão recíproco” nas famílias. Para o Papa, sem este mútuo perdão nenhum amor pode durar no tempo.
Citando a oração do Pai Nosso – “Perdoai as nossas ofensas assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido” – Francisco disse que “no dia-a-dia, não faltam ocasiões em que nos comportamos mal e somos injustos com os outros. Então, o que temos de fazer é procurar imediatamente curar as feridas que causamos porque, se adiarmos demais, tudo se torna mais difícil”.
Reiterando um conceito que já expressou no passado, lembrou a importância de “não terminarmos o dia sem se desculpar, sem fazer as pazes entre os casais, com os filhos, os irmãos... e entre nora e sogra!”:
“Se aprendermos a pedir desculpas rapidamente e a doar o perdão recíproco, as feridas se cicatrizam, o matrimônio se fortalece e a família se torna uma casa sempre mais sólida, que resiste aos abalos de nossas pequenas e grandes maldades. Para isso, não é necessário fazer grandes discursos... é suficiente um carinho e tudo acaba... e depois recomeça... mas nunca terminem o dia em guerra, entenderam? E quando aprendemos a viver assim em nossas famílias, o faremos também fora, em qualquer lugar”. 
“Muitos pensam e dizem que o dom e o perdão são palavras bonitas, mas impossíveis de pôr em prática. Graças a Deus, não é assim! Na verdade, é recebendo o perdão de Deus que somos capazes de, por nossa vez, perdoar aos outros. Por isso, Jesus nos faz repetir estas palavras todos os dias, quando rezamos o Pai-Nosso. As famílias cristãs podem ajudar muito a sociedade atual e a própria Igreja. Por isso desejo que, no Jubileu da Misericórdia, as famílias descubram de maneira nova e mais profunda o tesouro do perdão recíproco”.   
Neste sentido, o Papa assegurou às famílias cristãs que “se forem capazes de caminhar com decisão no caminho das Bem-aventuranças, aprendendo e ensinando a perdoar-se reciprocamente, aumentará também em toda a família da Igreja a capacidade de testemunhar a força renovadora do perdão de Deus”. 
E concluindo, disse desejar que “no Jubileu da Misericórdia, as famílias redescubram o tesouro do perdão recíproco. Rezemos para que as famílias sejam sempre mais capazes de viver e construir caminhos concretos de reconciliação, aonde ninguém se sinta abandonado no peso de suas ofensas”.
Com esta intenção, o Papa pediu a todos que rezassem com ele o Pai Nosso.
Encerrada a catequese, leitores fizeram resumos das palavras de Francisco em várias línguas. Ao grupo de poloneses presentes na Praça, foi lembrado que domingo (08/11) a Igreja em seu país celebrará a Jornada de Solidariedade com a Igreja perseguida, promovida pela Fundação ‘Ajuda à Igreja que Sofre’ e a Conferência Episcopal Polonesa. E que este ano, a ajuda espiritual e material será dirigida aos cristãos na Síria. “Que sua obra de oração e solidariedade alivie e suporte os irmãos e irmãs que sofrem por Cristo no Oriente Médio e em todo o mundo”. 

0 comentários:

Postar um comentário