Participe!

Você é o nosso convidado especial!

Lembra-te do Senhor nos dias de tua mocidade!

Participe e leve consigo mais um jovem!

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Paróquia apresenta o cartaz e tema oficial da Festa 2018


Neste domingo (05), a Paróquia São Francisco das Chagas apresentou aos fiéis o cartaz e tema oficial da Festa de São Francisco das Chagas deste ano. Centenas de pessoas se reuniram na Igreja Matriz. O cartaz faz referência ao tema da festa deste ano, que é “São Francisco, inspiração para os leigos na igreja e na sociedade".

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

JMJ 2019: prorrogado até 31 de agosto próximo o prazo para inscrições com desconto

JMJ 2019: prorrogado até 31 de agosto próximo o prazo para inscrições com descontoA preparação para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que ocorre de 22 a 27 de janeiro de 2019, no Panamá segue a todo vapor. Os jovens brasileiros estão se mobilizando para participar do maior evento juvenil do mundo.
No Brasil, a juventude vem fazendo vários eventos, rifas, vaquinhas para arrecadar fundos para bancar a viagem. Uma boa notícia é que o Comitê Organizador Local (COL) prorrogou até 31 de agosto o prazo para o desconto de 10 % nas inscrições na modalidade peregrino para a JMJ Panama 2019.
Para participar, existem três modalidades de serviços oferecidos aos peregrinos, variando de USD$ 250 (dólares), caso se decida ficar um dia a mais, até USD$50.00 (dólares). Todas as opções incluem transporte, seguro saúde e kit peregrino. As inscrições podem ser individuais no caso de peregrino sem grupo.
É importante lembrar que brasileiros não precisam de visto para entrar no país, somente passaporte válido e a vacina da febre-amarela. Essa indicação é baseada na lista de surtos epidêmicos relatados pela Organização Pan-americana da Saúde.
Programação da JMJ 2019
A pré-Jornada (dias nas dioceses) acontecerá em outros dois países, Nicarágua e Costa Rica, ali a semana missionária acontecerá de 17 a 20 de janeiro. A programação destes dias é de responsabilidade de cada Diocese. Para se inscrever na pré-JMJ basta acessar o site da Diocese e escolher em qual deseja estar. A taxa de colaboração para estes dias é de U$ 50,00 (cinquenta dólares).
A tradicional Feira Vocacional ganha novo nome na jornada do Panamá: “Siga-me”! A feira, que acontecerá no Parque Omar Torrijos, estará aberta para os peregrinos entre os 22 e 25 de janeiro. Além de stands de várias expressões vocacionais, os participantes da JMJ poderão participar de workshops e partilhar a vida e caminhada com sacerdotes e leigos comprometidos. Seis palcos ao ar livre e seis Igrejas com momentos de Adoração serão os espaços para o Festival da Juventude que trará apresentações musicais, teatrais, exibições de filmes, momentos de oração, entre outros. Mais de 300 inscrições foram realizadas para a apresentação no festival.
As catequeses da JMJ serão realizadas nos dias 23, 24 e 25 de janeiro, das 09h às 12h. Cada um dos dias de catequese terá um tema específico e ao final, o Bispo que conduziu o momento presidirá a Santa Missa.
Turismo no Panamá
A cidade do Panamá é tida como a Dubai das Américas sem contar que está banhado pelo Oceano Pacífico ao Leste e o Mar do Caribe ao Oeste. Rico em gastronomia e cultura, o país tem diversos pontos e passeios a serem explorados como: Panamá Velho (Cid Panamá), Eclusas de Gatún (Colon) e Casco Viejo, também conhecido como Casco Antiguo, é o distrito histórico da Cidade do Panamá, criado em 1673, onde você poderá visitar monumentos históricos e icônicos.

Voluntário
Para ser voluntário na JMJ fique ligado nestas dicas sobre os requisitos necessários neste site
A JMJ é organizada pela Igreja Católica a cada três anos. Essa será a 3ª JMJ do papa Francisco, depois do Rio de Janeiro em 2013 e Cracóvia em 2016. Ao se realizar no mês janeiro, tendo em conta o verão austral, o encontro no Panamá deverá ter menos afluência europeia, mas uma participação mais forte dos países da América Latina, e especialmente da América Central.

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Paróquia de São Francisco de Bacabal realizará Lançamento Oficial do Cartaz e Tema da Festa 2018


Neste ano 2018, a Festa de São Francisco das Chagas acontecerá no período, de 05 à 16 de setembro em Bacabal.
Desde o início do ano a Paróquia trabalha nos preparativos da Festa do Padroeiro, iniciando com a escolha do tema, o que contribui para a mensagem e o serviço de evangelização aos devotos.
Foi definido pela fraternidade franciscana do Convento e o Conselho Paroquial através dos encontros e estudo os conteúdos que serão utilizados durante a novena e nas celebrações dos dias do festejo.
Comungando como outras instituições da Igreja Católica, que costumam lançar o material antes do lançamento oficial, como a CNBB que trabalha a Campanha da Fraternidade, é que a Paróquia realiza o Lançamento Oficial do Cartaz e Tema 2018, em uma missa na Igreja Matriz neste domingo, 05, às 19h que será presidida pelo pároco, Frei Osmar Rodrigues de Jesus, OFM.
A organização reforça para que toda a comunidade possa participar deste momento significativo para a Igreja Paroquial de São Francisco das Chagas, e que estejam em comunhão durante a festa 2018.

terça-feira, 31 de julho de 2018

CNBB: Projeto evangelizador suscita cultura vocacional na Igreja no Brasil

Várias dioceses e arquidioceses do país estão aderindo a uma campanha pelas vocações que se espalha pelo Brasil inteiro e outras partes do mundo, como é o caso de Bafatá, no continente africano, como uma ação evangelizadora fundamentada na temática principal “Pedi ao Senhor da messe que envie operários para a sua messe”. O projeto é uma iniciativa de alguns regionais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e foi apresentado em abril deste ano ao episcopado brasileiro durante a 56ª Assembleia Geral da entidade.
A proposta é que cada comunidade coloque-se em oração, como um único corpo, pedindo ao Senhor, por intercessão de Nossa Senhora, uma nova vocação para a Igreja. Desenvolvida a partir de dois eixos, o bispo de Paravaí, dom Mário Spaki explica que a ação é colocada em prática quando as comunidades rezam pelas vocações antes de todas as celebrações, reuniões e encontros e quando publicam testemunhos de quem vive com alegria sua vocação.
“Antes de tudo é preciso afirmar que é uma ação evangelizadora ousada. Nosso objetivo é unir a Igreja num único corpo para colocar em prática uma frase do Evangelho: ‘Pedi ao senhor da messe que envie operários para a sua colheita’ (Mateus 9,38), fazendo com que em cada comunidade se reze com fé e entusiasmo pelas vocações”, afirma o bispo. Portanto, o primeiro eixo a ser desenvolvido é “rezar pelas vocações”. Nesta fase, é importante que em todos os encontros/ reuniões da Igreja se comece ou termine uma dezena do rosário pelas vocações. Nela se deve recordar às pessoas a intenção da oração que é as vocações.
“A cultura vocacional é o ambiente positivo, saudável referente às vocações, por meio do qual propiciamos que chegue até as crianças, os adolescentes e os jovens o testemunho alegre das pessoas que seguem Deus.  A Cultura Vocacional se forma a partir da oração e do falar positivamente das vocações, num mundo cheio de lamentações. Na maioria das dioceses e congregações são designados um padre ou uma religiosa, respectivamente, para promover as vocações. Com esta ação evangelizadora, estamos corresponsabilizando, não apenas algumas pessoas, mas toda a Igreja”, afirma padre Mario Spaki.
O outro eixo a ser suscitado pela ação é a evangelização pelas redes sociais. Neste contexto deve-se levar em conta a publicação de vídeos breves, densos de vida cristã-presbiteral-religiosa-laical nos meios de comunicação, interagindo com os regionais, arquidioceses, paróquias, pastorais e movimentos eclesiais. Segundo dom Mário Spaki todos os dois eixos vão de encontro ao que o papa Francisco incentiva- o de ser uma “Igreja em Saída”. “As vocações estão ligadas com o todo da Igreja. Do mesmo modo que a totalidade dos católicos está se renovando com os impulsos da missionariedade advindos do Documento de Aparecida, posteriormente levada para toda a Igreja pelo papa Francisco, as vocações à vida da Igreja também dependem dessa renovação missionária, da Igreja em saída”, afirma.
Vivência – A iniciativa já foi acolhida em diversas localidades do Brasil. No sul do país, por exemplo, os estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul tem experiências concretas. “Pessoalmente tenho me surpreendido pelo entusiasmo com que as pessoas abraçaram esta causa: quase na totalidade das comunidades já se tornou comum a oração pelas vocações. E o fazem antes do horário de início para não atrasar a celebração. Percebi, em muitos lugares, como a oração ajuda a preparar o ambiente para a celebração”, explica dom Mario Spaki.
O bispo cita o caso da diocese de Campo Mourão, no Paraná, onde foram produzidas 2 mil capelinhas, uma para cada grupo de catequese. “No final de cada encontro da catequese, um dos catequizandos leva para sua casa a fim rezar com sua família pelas vocações. Assim, o catequizando se torna o protagonista da oração”, diz. A diocese de Ponta Grossa também entrou no mesmo ritmo e fez as capelinhas.
No interior do Paraná, na diocese de Paranavaí, em uma das comunidades da Paróquia Santo Antônio de Pádua, dom Mário afirma que houve um fato inusitado, isso porque lá rezam-se as cinco dezenas pelas vocações antes das celebrações. “Em tempos recentes passados, as pessoas ficavam fora da Igreja conversando até o horário da celebração. Aconteceu que, num domingo, todos se recolheram antes do horário da celebração para rezar pelas vocações, e enquanto estavam na Igreja, um carro desgovernado atingiu com velocidade o espaço onde as pessoas costumavam ficar antes da celebração. Se não estivessem rezando pelas vocações, provavelmente aquele acidente teria sido fatal para várias pessoas”, finaliza.
Confira, abaixo, o vídeo oficial do projeto “Cada Comunidade Uma Nova Vocação”:
 Com informações da CNBB.

Direito à Vida: Dom Armando e a descriminalização do aborto

Resultado de imagem para Dom Armando Martín Gutiérrez
Dom Armando Martín Gutiérrez, Bispo de Bacabal (MA) / Foto: Frei Lucas


Dom Armando Martín Gutiérrez, Bispo de da Diocese de Bacabal, MA, fez algumas considerações ao Vatican News sobre a discussão e debate em pauta no STF.

O direito à vida é incondicional. Deve ser respeitado e defendido, em qualquer etapa ou condição em que se encontre a pessoa humana”. Essa afirmação é da presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) emitida em Nota Oficial “Pela vida, contra o aborto”, publicada em 11 de abril de 2017. Na ocasião, os bispos reafirmaram a posição firme e clara da Igreja “em defesa da integralidade, inviolabilidade e dignidade da vida humana, desde a sua concepção até a morte natural” e, desse modo lembram condenam “todas e quaisquer iniciativas que pretendam legalizar o aborto no Brasil”.

A ação sustenta que dois dispositivos do Código Penal que instituem a criminalização da interrupção voluntária da gravidez afrontam a dignidade da pessoa humana, a cidadania, a não discriminação, a inviolabilidade da vida, a liberdade, a igualdade, a proibição de tortura ou o tratamento desumano e degradante, a saúde e o planejamento familiar das mulheres e os direitos sexuais e reprodutivos.

Na nota, os bispos ressaltaram que “O direito à vida permanece, na sua totalidade, para o idoso fragilizado, para o doente em fase terminal, para a pessoa com deficiência, para a criança que acaba de nascer e também para aquela que ainda não nasceu”.


Muitas dioceses e arquidioceses brasileiras emitiram notas de repúdio ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra as razões apresentadas na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental 442 (ADPF 442), proposta pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL). A proposta visa descriminalizar o aborto até a 12ª semana de gestação. A ministra Rosa Weber, relatora do caso no STF, convocou audiência pública para discutir o caso no dia 6 de agosto.
Dom Armando Martín Gutiérrez, Bispo de da Diocese de Bacabal, MA, fez algumas considerações ao Vatican News sobre a discussão e debate em pauta no STF para o dia 6 de agosto acerca da descriminalização do aborto.

terça-feira, 27 de março de 2018

5 dicas para quem vai acompanhar a Procissão do Fogaréu pela primeira vez em Bacabal

(Foto:Jossanna Chaves/Reprodução)
A Procissão do Fogaréu é o tipo de evento que todo bacabalense tem obrigação de conhecer. Tradição na cidade desde 2015, o ritual simboliza a procura e a prisão de Cristo. Cerca de 40 homens encapuzados e com tochas, os farricocos, representam os soldados romanos.
 Embora para algumas pessoas participar da cerimônia seja uma tradição, para outras, esse ano será a primeira vez na procissão. Para salvar os visitantes de primeira viagem de gafes e transtornos, preparamos uma listinha que promete ajudar a aproveitar melhor o evento.
  1. Sapato confortável
 Pode parecer dicazinha clichê, mas é bem comum ver pessoas perdendo sapatos, arrebentando rasteirinhas, machucando o pé e até mesmo caindo durante a procissão. Então, evite sandálias abertas e leve um sapato confortável de preferência que proteja os pés.
  1. Tome cuidado no caminho
 Como falado no item anterior, é bem comum ver acidentes no caminho, muitas vezes isso acontece porque o terreno da Cidade é irregular e para acompanhar os farricocos é necessário que o visitante caminhe de forma mais rápida. Além disso, as luzes do município são apagadas o que dificulta um pouco enxergar o caminho. Logo, todo cuidado se faz necessário.
  1. Tome cuidado com objetos
A Cidade de Bacabal recebe muitos visitantes nesse período por causa da Procissão. Durante o percurso, por causa da quantidade de pessoas, se por acaso um objeto como relógio, celulares caírem no chão pode ser que ele seja pisoteado.
  1. Fique alerta com as tochas
Muito comum nesses eventos, são turistas querendo tirar fotos dos farricocos, o problema é o fogo das tochas podem causar acidentes. Embora os farricocos possuem treinamento para não ficarem próximos as pessoas quando as tochas estão acesas, tome cuidado você também e ajude evitar acidentes .
  1. Leve a sua garrafinha
Pode ser que bata aquela sede quando você está acompanhando a procissão. Se você não quer perder nenhum minuto da cerimônia por causa da vontade de tomar água, leve uma garrafinha e problema resolvido.

(Coordenação Geral 2018)

sexta-feira, 2 de março de 2018

Procissão do Fogaréu: tradição na Semana Santa em Bacabal


Em um país de grandes dimensões – em que mais da metade da população é católica – não é de se estranhar que grandes manifestações religiosas tomem conta da Semana Santa. Em todas as regiões do Brasil, as celebrações são marcadas pelas tradições populares e pela fé no Cristo Ressuscitado.
Uma destas tradições é a procissão do fogaréu, que acontece em várias cidades. Entretanto, no estado do Maranhão, a cidade de Bacabal, a 240 quilômetros da capital, São Luís.
Ao som de tambores e à luz de tochas, tem início a Procissão do Fogaréu. O ritual simboliza a procura e a prisão de Cristo. Cerca de 40 homens encapuzados representam os soldados romanos, carregam as tochas enquanto um coro entoa cantos.

A procissão é acompanhada por aproximadamente 12 mil pessoas. Ela parte da Praça da Igreja Matriz São Francisco das Chagas, passam pelas ruas da cidade e chega novamente a Praça da Igreja Matriz, onde se faz o papel da Crucificação, onde Cristo foi morto na Cruz.

Em seguida, o toque do clarim anuncia que Jesus está morto e se faz um momento de silêncio. É o fim da procissão. Depois disso, o corpo do personagem que representa Cristo, é sepultado dentro da lendária Igreja Matriz.

Apontado como um dos principais eventos religiosos do estado, o espetáculo reúne turistas e moradores. A primeira procissão ocorreu em 2015, quando o pároco de São Francisco das Chagas na época, o frade franciscano Osmar Rodrigues de Jesus, trouxe o costume à cidade.

No dia 28 de março, quarta-feira Santa, a procissão que encena a prisão de Jesus Cristo terá início às 18:30 horas com a iluminação pública apagada, ao som de tambores e apenas com as luzes das tochas acessas.

As tochas estão sendo vendidas na Secretaria da Paróquia ao preço de R$ 10,00 (dez reais).